Muita gente não sabe mas um novo programa Minha Casa, Minha Vida vem sendo preparado pelo governo federal. O projeto já encontra-se na fase final de elaboração e deverá ganhar um novo nome: ‘Casa Verde Amarela’.

O novo programa habitacional do governo Jair Bolsonaro (sem partido) terá duas grandes frentes, isto é, terá apenas duas modalidades.

Atualmente, o Programa Minha Casa Minha Vida possui quatro faixas (modalidades). Portanto, segundo o novo programa do governo isso vai mudar. Confira mais detalhes de como o ‘Casa Verde Amarela’ será divido.

Conforme foi dito acima, o novo programa habitacional terá as seguintes modalidades:

Modalidade 1

Nesta modalidade, o governo prevê que em vez de construir do zero a casa para a população mais vulnerável, a ideia é mapear famílias que estejam em terrenos e casas irregularidades e dar titularidade para elas, além de reformar parte dessas casas.

Modalidade 2

A outra modalidade é ter subsídios financiados (apartamentos) aos moldes do que é hoje, mas baixando os juros e usando mais do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) do que é utilizado hoje.

500 mil novas unidades

A ideia inicial do governo é construir 500 mil novas unidades habitacionais em todo o pais, mas com um tratamento diferenciado às regiões Norte e Nordeste.

Governo deve adiar mudanças

A ideia inicial era lançar o programa ‘Casa Verde Amarela’ no final de maio. Porém, com os últimos acontecimentos, o governo decidiu aguardar o arrefecimento da pandemia causada pelo novo coronavírus para depois anunciar a nova formatação do programa habitacional Minha Casa, Minha Vida (MCMV).

Em videoconferência promovida pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), o secretário Nacional de Habitação do MDR, Alfredo Eduardo dos Santos, tentou ainda tranquilizar os construtores com relação a recursos para execução da obras.

Ele disse que não haverá contingenciamento de orçamento neste ano devido à decretação do estado de calamidade pública.

Sobre o Minha Casa Minha Casa

Lançado em março de 2009 no governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Minha Casa, Minha Vida atende, atualmente, a famílias com renda de até R$ 9 mil. Pelos critérios do programa, quanto menor o orçamento familiar, maior o subsídio concedido pelo governo federal.

Para famílias com renda de R$ 1,8 mil (faixa 1), por exemplo, o subsídio é correspondente a quase 100% do valor do imóvel e é bancado pela União.

Para outras faixas, é oferecido financiamento com um desconto menor e o desconto é pago pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e pela União. No ano passado, o FGTS custeou 100% do subsídio concedido ao programa, o que será repetido neste ano.

Fonte: N1N