Pernambuco

Procon-PE aponta aumento no valor da cesta básica já no primeiro mês de 2021

490Visualizações

Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor O consumidor pernambucano já inicia o ano com aumento na cesta básica na Região Metropolitana do Recife (RMR). É o que aponta uma pesquisa realizada pela Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-PE), divulgada nesta quarta-feira (13). Segundo o levantamento, o percentual de aumento foi de 3,35% no mês de janeiro. A pesquisa demonstrou que a cesta passou de R$ 499,64, em dezembro de 2020, para R$ 516,38 em janeiro deste ano. A cesta básica tem um impacto de 46,94% no salário mínimo.

A pesquisa foi realizada entre os dias 04 e 07 de janeiro. Dos 27 produtos pesquisados, 12 subiram de valor. Os alimentos que mais subiram de preço foram alho, cujo quilo passou de R$ 25,90 para R$ 59,99, um aumento de 114,94%; cebola, que aumentou de R$ 3,49 para R$ 4,55 o quilo, (30,37%); e o feijão mulatinho ou carioca, que teve aumento de 26,89%, passando de R$ 7,29 para R$ 9,25. Já a bandeja com 30 ovos e o óleo de soja caíram de preço, 8,89% e 5,27%, respectivamente. No setor de limpeza, houve aumento de 5,21% no preço do sabão em barra.

Mesmo apresentando uma diminuição de preços em 15 produtos, o Procon-PE reforça que é preciso pesquisar. “Essa é mais uma importante ferramenta que o Governo de Pernambuco dispõe ao consumidor para que ele possa economizar e comprar com segurança. Pesquisar antes de comprar continua sendo fundamental”, explica o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico. O levantamento feito pelo órgão de defesa do consumidor passou por 22 estabelecimentos, nos municípios de Recife, Olinda, Paulista, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca. A análise dos preços é feita em 27 itens, entre alimentação, limpeza doméstica e higiene pessoal.

O levantamento toma como base a cesta básica mensal para uma família composta por quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças. O diferencial da pesquisa do órgão de defesa do consumidor, em relação às que são realizadas por outros institutos, é que neste levantamento é possível identificar o preço de cada item por estabelecimento e, desse modo, fornecer ao consumidor os locais e endereços onde o produto encontra-se mais acessível. 

 

Fonte: Diário de Pernambuco